13º Contingente - Edmundo Manzini de Souza

ALESP PREMIO NOBEL

Solenidade em 28/01/2005 na Assembléia Legislativa que comemorou os 20 anos Associação Brasileira das Forças de Paz da ONU 


A Associação Brasileira das Forças de Paz da ONU comemorou 20 anos com um evento na Assembléia Legislativa que reuniu, nesta sexta-feira, 28/01/05, integrantes da força de paz que atuou em Suez, no Oriente Médio. 

Durante a comemoração, o deputado Adílson Barroso (PSC), representando a Assembléia, salientou a importância de se viver em uma sociedade que busca a paz. "Este Parlamento estará sempre aberto para a defesa de causas justas, como a cultura da Paz pelos povos de toda a Terra", salientou. 

O veterano do (3º)contingente brasileiro de Suez, Dacilio de Abreu Magalhães, falou dos feitos empreendidos no deserto. "Montamos nossas barracas de lonas no deserto do Sinai, suportamos calor de 52º, comemos comida fria e bebemos água quente; não tomamos nenhuma cidade, mas protegemos todas que estavam no nosso raio de atuação", ressaltou, acrescentando que "lutamos pela paz de povos irmãos e estendemos as mãos antes de apontarmos nossos fuzis". 

Durante o evento, o sargento comandante do grupo de combate do Batalhão de Suez na faixa de Gaza, Edmundo Manzini, recebeu a Medalha do Prêmio Nobel da Paz, outorgada pelo Ministério da Defesa da Dinamarca. No dizer de Manzini, "somente os bravos vencem a solidão do deserto". Também foram conferidas medalhas comemorativas aos 20 anos de fundação da Associação a membros da entidade além de autoridades civis, religiosas e militares. 

Além de Suez, o Brasil já integrou forças de paz em países como Egito, República Dominicana, Guatemala, Congo, Costa Rica, Honduras, Índia, Paquistão, Haiti, Costa do Marfim, Chipre e Guiné Bissau. 

ALESP - AGENCIA DE NOTICIAS 28/01/2005

De: Edmundo Manzini <professormanzini@terra.com.br> 
Data: 9/02/2005 (21:57:17) 


 
VOLTAR