1º Contingente - Resumo

 

Reportagem com Cb.Hélcio de Mello Soares


1º Contingente - Btl.Suez - Segunda-feira, 11 de janeiro de 1957.

Aos dez minutos para a meia-noite, o navio Custódio de Melo partiu do Rio de Janeiro com destino a Las Palmas, no arquipélago das Canárias, onde fez uma escala antes de seguir rumo a Port Said, no Egito.

A bordo, o 1º Contingente do Batalhão Suez, convocado para integrar a UNEF, Força de Emergência das Nações Unidas, primeira Força de Paz da ONU, que teve a missão de apaziguar os conflitos na Faixa de Gaza. Grã-Bretanha, França e Israel haviam se aliado contra o Egito, após a nacionalização do Canal de Suez pelo coronel Nasser.

O 1º Contingente era composto por cerca de 530 homens. Entre eles o jovem cabo Hélcio de Mello Soares, o Seu Hélcio, dono do Bazar Trianon, em São Francisco. Natural de São Gonçalo, ingressara no exército há apenas oito meses, e já partia para a maior aventura de sua vida.

O caminho do Custódio de Melo não foi fácil. A tripulação enfrentou um furacão e um vazamento de gasolina que os deixou a deriva por 70 horas.

Mas o fato que mais marcou a viagem foi a morte do soldado João Antônio, que após apresentar um quadro clínico de grave infecção na garganta, veio a falecer. Por decisão do tenente-coronel Iracílio Pessoa, comandante do Batalhão Suez, o corpo do soldado foi sepultado, com todas as honrarias, no Mar Mediterrâneo.

Ao chegar ao destino, o Batalhão Suez se instalou em Rafah Camp, antigo posto inglês, marchando junto às tropas israelenses que deixavam as terras egípcias. A tropa brasileira foi a primeira a entrar em Gaza e chegar à fronteira de Israel. Logo chegaram também tropas de outros países, em sua maioria oriundas do Canadá, Indonésia, Colômbia e Dinamarca.

Acidentes com minas abandonadas pelas tropas beligerantes faziam parte da rotina da região, e as principais vítimas eram civis e animais. "Só tivemos noção do tamanho do problema quando chegamos lá. O canal estava entupido de navios e barcos afundados e toda a área era um grande campo minado", lembra Hélcio, que atuou como auxiliar do subcomandante.

Os registros militares mostram que, ao todo, o Batalhão Suez desarmou 864 minas de diversos tipos. Hélcio se recorda das condições precárias, sem qualquer infra-estrutura ou saneamento básico, que as tropas brasileiras encontraram. "O povo egípcio era muito sofrido e a pobreza muito grande.

O quadro era de miséria mesmo", afirma.

O Brasil participou das forças de paz com efetivo militar por dez anos c-o-n-s-e-c-u-t- i-v-o-s .

Foram ao todo vinte Contingentes, renovados duas vezes por ano, assim cada Contingente permaneceu, em média, pouco mais de 12 meses no Egito. No dia 14 de setembro de 1958 deu-se o inicio do retorno do 1º Contingente ao Brasil. No dia 20 de outubro de 1958, o Navio-Transporte de Tropas Barroso Pereira aportou no Píer da Praça Mauá, trazendo as tropas de volta para casa.

Sábado, 22 de julho de 2006. Agora as explosões ao redor do veterano Hélcio são de outro tipo. Vêm das bombinhas e fogos de artifício que animam a festa junina da Rua Goitacazes. Em sua segunda edição, o evento reuniu mais de 500 pessoas no quarteirão entre as Ruas Aimorés e Tapuias, em São Francisco.

Na festa organizada pelos vizinhos o clima é de harmonia e paz.

Famílias inteiras se divertem num ambiente de sincera alegria. Nenhum detalhe foi esquecido, desde a decoração da Rua até a fantasia de muitos convidados. Doces, salsichões, cerveja e refrigerantes são vendidos ao preço de 0,00 reais.

Como tudo na festa vem do trabalho e das doações de moradores e amigos, é tudo de graça para os convidados. Esse ano o evento teve ainda uma apresentação do coral de Agnes Moço, que cantou temas juninos, encantando os presentes.

Essa rara união entre vizinhos começou há três anos quando, recém chegado à Goitacazes, Hélcio incomodou-se com o isolamento das pessoas. Para tentar quebrar essa barreira, adquiriu o hábito de, nos fins de semana, apreciar uma cerveja ao ar livre, na calçada de sua casa.

Logo outros moradores passaram a freqüentar o ponto de encontro, que foi apelidado de "calçada da humildade".

O grupo em pouco tempo transformou toda a vizinhança.

"Hoje todos os vizinhos são amigos, somos quase que uma família só", comemora.

Durante a festa, em meio à alegria das crianças, Hélcio celebrou mais uma missão bem sucedida. E lembrou, com entusiasmo e orgulho, que possui um Prêmio Nobel da Paz.

Em 1988, o prêmio foi concedido pelo Comitê Nobel em Oslo, Noruega, às Forças de Paz da ONU, incluindo todos que participaram de missões de paz em todo o mundo até aquela data.

Quase cinqüenta anos depois, as lembranças do conflito no Egito ainda estão vivas na memória do ex-cabo.

Algumas alegres, como a da vez que acompanhou o cantor Silvio Caldas durante sua passagem pela região, para se apresentar para os

O canal de Suez, no Egito, foi construído pelos franceses no século XIX, e na época do conflito era o principal escoadouro do petróleo árabe para o Ocidente. Ligando o Mar Vermelho ao Mediterrâneo, encontrava-se sob o controle militar inglês quando em julho de 1956, o presidente egípcio, coronel Gamal Abdel Nasser anunciou a nacionalização do canal.

No dia 10 de agosto, em Londres, a Grã Bretanha e a França decidiram por uma ação militar contra o Egito. Israel logo se aliou às duas potências, vendo na invasão uma oportunidade de romper o bloqueio do canal e acabar com campos de treinamento de guerrilheiros palestinos.

O ataque israelense começou no dia 29 de outubro, através do deserto do Sinai. Dois dias depois, aviões franceses e ingleses bombardearam os aeroportos egípcios. No dia 5 de novembro, pára-quedistas britânicos e franceses começaram a ocupação de Port Said, no Mediterrâneo.

Com a opinião pública contrária a invasão, o Conselho de Segurança da ONU se reuniu nos dias 30 de outubro e 2 de novembro. Com os votos favoráveis dos Estados Unidos e União Soviética, exigiu a retirada das tropas britânicas, francesas e israelenses do território egípcio. A região foi então ocupada por tropas da ONU, e o canal foi reaberto em 1957, sob o controle do Egito.

de Theodoro da Silva Junior <theojr@terra.com.br>
data 15/12/2007 17:18
assunto BTL.SUEZ - Histórias do 1º Contingente


VOLTAR