"In Memorian" O Dia de Finados desperta reflexão

Enviado por Theodoro

30-10-2015

 

   "IN MEMORIAM" O  Dia de Finados  desperta reflexão

      Como tudo começou – Conhecida também como Dia de Todas as Almas, a celebração do Dia de Finados sucedia o Dia de Todos os Santos (1º de novembro), quando se reza e fazemos muitas orações por aqueles que morreram em estado de graça na fé em Deus. O dia dois de novembro, dia seguinte ao dia de todos os  santos, foi dedicado às orações a todos os demais falecidos, que precisariam de ajuda para serem aceitos no céu, conforme tradições da Antiguidade.

      Sobre o Dia de Finados, o escritor Cláudio Fernandes explica que, mesmo antes de oficializar a data, já em 2 de novembro de 998, o abade Odilon de Cluny, instituiu aos membros de sua abadia bem como a todos aqueles que seguiam a Ordem Beneditina a obrigação cristã de se rezar e orar pelos mortos. A partir do século XII, a data popularizou-se em todo o mundo cristão medieval como o Dia dos Finados, e não apenas no meio clerical.

      Lá se vão 16 séculos desde que os falecidos passaram a ter um dia dedicado à oração e homenagens in memoriam. Portanto, na maioria dos países ocidentais, o Dia dos Finados é celebrado em 2 de novembro desde a Idade Média, quando a data foi oficialmente instituída pelo abade francês Odilon de Cluny, embora a celebração histórica, para muitos remete à tristeza do luto.

“Buscamos lembrar que a data é de celebração da vida, da vida que continua nos dois planos, e também momento de gratidão aos nossos amados que já se foram. A celebração inspira orações  que  proporciona  momentos de relaxamento, alegria e reflexão  e deixa nos corações um  conforto e lenitivo  como se fosse uma homenagem alegre e feliz”.

                           Theodoro

 

 

 

 

Voltar ao início