4º Contingente - Isidoro Baçon

ATUAL PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO DO PARANÁ

REMESSAS ENCAMINHADAS E COMENTADAS PELO COMPANHEIRO THEODORO - 10º CONTINGENTE.


AS INSTALAÇÕES

 Barracas de madeira e lona - nós conhecemos como Campo Brazil

 

Barracas de lona, também no PC do Batalhão. (Nota : Deveria ser "gostoso" estar dentro da barraca quando ventava, fazia calor ou frio)

 

Pelotão e PC da 9ª Cia ( veja que, em volta, nem cerca de arame existia) 
Pelotão e PC da 9ª Cia
 
 
Interior da Barraca de Lona ,onde habitava o Baçon, ele com o Kept  na cabeça e o seu companheiro, o Cabo Kurt
O Destaque é o piso em lajotas de concreto bruto, os armários de tamanho padrão menor, e  as famosas camas de campanha, com um precário colchão. Note ainda a arrumação das cobertas, obedecendo aquele conhecido padrão adotado na caserna, Era mais uma tentativa de manter elevado o moral da tropa.

 

O Baçon no interior de sua Barraca lidando com seus pertences, dando aquela gravatada na sua máquina fotográfica. Perceba a arrumação das camas e a padronização dos pequenos armários 
 
A EVOLUÇÃO DAS INSTALAÇÕES DOS "POs"
Soldado Frederico Schadmer (4º Contingente) - Serviço no P.O. no dia 22/02/1959. Veja que o P.O. era em sacos de areia. e uma cobertura de uma lona rústica.

Vemos a 1ª evolução de um P.O., embora e ainda com sacos de areia
P.O., já bastante melhorado, em relação aos anteriores, em alvenaria, apenas a cobertura continuava rústica, agora em palha.
 
A EVOLUÇÃO DAS INSTALAÇÕES DOS "POs"
Um P.O. já bastante modificado e totalmente em alvenaria. O Pessoal da foto eram soldados do 8º Contingente. Outro detalhe desta foto é o flagrante da troca da guarda, soldados conduzidos no jeep e na pequena carreta atrelada ao veículo. Esses reboques muito comuns na tropa Brasileira, utilizados para outros serviços, foram "fabricados por uma empresa de Curitiba - PR., especificamente para utilização na missão de paz da UNEF. 

Patrulha Motorizada

  
A.D.L. - Linha demarcatória de limites- Fronteira


Pessoal de folga e momento de descontração

  
3º Contingente em preparativos finais para retornar ao Brasil, últimos momentos no deserto
 
 
Sd. Baçon e jovens habitantes refugiados que viviam estudando inglês, em grupo pelo Deserto, nas proximidades do pelotão
 

Sd. Baçon no centro da foto ao lado dos soldados do Paquistão que naquele período estavam aliados aos árabes Fedains, na luta deles contra Israel.
 
 
Na quadra de esportes
 
Missa campal do batalhão brasileiro em Rafah.
 

Em Rafah Camp - Centro Logístico da ONU- os versáteis veículos "Citroen" muito utilizados para o transporte de autoridades da ONU e oficiais comandantes dos batalhões.
 

Veículo jeep na fronteira, ainda na cor verde oliva de utilização exclusiva dos brasileiros
 
 
Veículos - caminhões brasileiros da marca F.N.M., ainda pintados na cor verde oliva, de utilização exclusiva dos brasileiros 
 

Caminhão "Bedeford" para transporte de tropa, ainda na cor verde oliva, de uso exclusivo dos brasileiros.
 

Sd. do 4º contingente na fronteira em serviço de observação. O veículo jeep utilizado, ainda na cor verde oliva.
 

Caminhão brasileiro - F.N.M., ainda na cor verde oliva, nas ruas do Cairo O Sd. Baçon e seu companheiro que foram designados para carregar e transportar um outro jeep que apresentou falhas mecânicas, quando a serviço da ONU nas proximidades das pirâmides no Cairo
 
Em frente as Pirâmides. Sd. Baçon com o Jeep já carregado no caminhão F.N.M., pronto para retornar ao batalhão brasileiro em Rafah.
 
 
Sd. Baçon a esquerda com os soldados colombianos na missão. 
De como eram as instalações Sanitárias em 1958/59 - 4º Contingente
Abastecimento manual de água - Percebemos como era trabalhosa o reabastecimento de água. Para manter abastecida a caixa dágua, o serviço de balde a balde, na transferência do produto do carro pipa para as precárias instalações da caixa dágua. No caso, essa água servia para o consumo e uso do pessoal dos pelotões de fronteira. Muito utilizada para os banhos, que devido as dificuldades, o produto "água" era restrito, sempre racionada e para uso moderado.
 

O veículo mais utilizado na missão o jeep, agora já pintado na cor branca, com as identificações e símbolos da ONU, porém a intenção maior desta foto está ao fundo. São as rústicas instalações sanitárias. Do lado esquerdo os chuveiros, ao lado o privadão coletivo com fossa negra. Entre os chuveiros e o privadão ficava a caixa dágua. bem ao lado direito, (em tamanho menor) era a privada específica do comandante do pelotão. (também com fossa negra) 

Jeep devidamente abastecido para as patrulhas

 

Avião DC-3 da F.A.B. - Força Aérea Brasileira no Aeroporto de El Arish. Essa aeronave era a alegria dos brasileiros da UNEF. Uma vez por mês levava do Brasil, entre objetos e documentos sigilosos e/ou da logística do batalhão brasileiro, aproveitava, também levar e trazer encomendas de relação familiar entre soldados e parentes do Brasil.
Avião DC-3 da FAB, no aeroporto de El Arish e os soldados brasileiros para o serviço de carga e descarga da aeronave.
O avião "Caribou" da força aérea canadense a serviço da UNEF - na Missão, era novidade em 1959.



Aviões DC-3 da ONU, utilizados para o apoio logístico da ONU para transporte de pessoal e cargas, entre o aeroporto de El Arish, Beirute, Cairo, Jerusalém, etc. Os Aviões menores que aparecem abaixo, estilo "teco-teco", eram utilizados nas Patrulhas aéreas, nos limites das Fronteiras da entre Egito e Israel

 

Baçon e seus amigos do 4º Contingente em frente ao avião da ONU, no aeroporto
internacional de Jerusalém, no dia 1º de janeiro de 1959.
Baçon e seus amigos do 4º Contingente a passeio nos lugares santos e sagrados
de Jerusalém. 
Carimbo no verso da foto que foi um serviço de fotografo profissional que atendia aos turistas na chegada do aeroporto de Jerusalém. 
 
Baçon juntamente com o religioso da igreja ortodoxa, e os pergaminhos bíblicos.
 
Isidoro Baçon e seu amigo no aeroporto de Beirute - Líbano.

Baçon e Pinetti - nas ruas de Alexandria - Egito
 
Baçon tomando uma coca-cola em frente às pirâmides do Cairo
DIA DA ONU  -  FESTIVIDADES DO DIA 24 DE OUTUBRO DE 1958 
PARADA MILITAR COM DESFILE DE TODA TROPA DA ONU - UNEF 
O local das festividades foi no Aeroporto de Gaza
Carros de Assalto


 Veículos ultilados pela tropa da UNEF na missão para patrulhas motorizadas ao longo da fronteira internacional (IF). Deserto do Sinai.

 

DESFILE DA TROPA INTERNACIONAL


São representações dos países 

que compunham a UNEF na missão de paz,

estão incluídos os colombianos

brasileiros, indianos,

    

canadenses, iugoslavos, dinamarca- noruega (Btl.danor) etc...


O REGRESSO

Embarque do 4º Contingente no trem, cujas linhas ficavam ao fundo do Batalhão Brasileiro.

 

O retorno do 4º Contingente ao Brasil em 1959  através do navio Tr. Soares Dutra G-22 . Esse mesmo cuzador de mares, transportou o 1º Contingente. 

APÓS A MISSÃO NO BRASIL

 
Morihiro Suzuki - companheiro de Missão ex-cabo da 9ª Cia.do 10º Contingente foi autor do projeto arquitetônico do monumento da praça Batalhão Suez em Ponta Grossa. Aparece na foto juntamente com o Isidoro Baçon,  presidente da Associação de Curitiba. ( Mais detalhes na janela "BOINA AZUL" Associação do Paraná)

VOLTAR