Ao Pracinha Tombado da UNEF


(  Elegia ao companheiro Cabo ILHA )


Tivesse eu te visto tombar
Poderia ter te amparado
Te aliviado a dor
E coberto o teu ferimento
Não terias morrido só
Tão longe de casa...

Tivesse eu ouvido o tiro
Tivesse eu visto o atirador
Tivesse eu te visto exposto
Pudesse eu ter te alertado
Tivesse eu... Pudesse eu...
Mas, estava longe de ti...
E tu tão longe de casa

Minha mente conhece as razões mas,
Meu coração só ouve as lágrimas e a dor
Por que tu tinhas que estar lá
Numa guerra que não era tua
Numa guerra insana e cruel...
Tombaste... tão longe de casa

No entardecer do resto de nossas vidas
Perfilados em silêncio bateremos continência
Para o pracinha herói do 20ºContingente
E para outros companheiros que partiram tão cedo
Nossas saudades, Cabo Carlos Adalberto Ilha de Macedo...

EDISON IABEL
Soldado Intérprete do 20º Contingente - 1967
(Colaboração Fernando Vargas)


VOLTAR