OS BRASILEIROS EM MISSÕES INTERNACIONAIS DE PAZ


Primeira Força de Emergência das Nações Unidas - (UNEF I) 

O Brasil participou da Primeira Força de Emergência das Nações Unidas, de janeiro de 1957 a julho de 1967, com um Batalhão de Infantaria de Aproximadamente 600 homens (o chamado Batalhão Suez). Cerca de 6.500 militares brasileiros participaram da UNEF I durante os mais de dez anos da missão. O Brasil exerceu o Comando operacional da UNEF I de janeiro a agosto de 1964 (General Carlos Paiva Chaves) de janeiro de 1965 a janeiro de 1966 (General Sizeno Sarmento). 


Força de Segurança das Nações Unidas - (UNSEF) 

Dois observadores militares brasileiros provenientes do Batalhão Suez foram enviados para a Força de Segurança das Nações Unidas na Nova Guiné Ocidental, de 18 de agosto a 21 de setembro de 1962. 


Missão de Representante Permanente do Secretário-Geral da ONU na República Dominicana - (DOMREP) 

O Brasil enviou um observador militar para a MIssão do Representante Permanente do Secretário-Geral da ONU na Republica Dominicana, de maio de 1965 a outubro de 1966. 


Missão de Observação das Nações Unidas na Índia e no Paquistão - (UNIPOM) 

O Brasil cedeu dez observadores militares para a Missão de Observação das Nações Unidas na Índia e no Paquistão, de 28/09/65 a 22/03/66. 


Primeira Missão de Verificação das Nações Unidas em Angola - (UNAVEM I) 

O Brasil contribuiu com contingente de oito observadores militares para o primeiro mandato da Missão de Verificação das Nações Unidas em Angola, de 03/01/89 a 31/05/91 (término da mandato). Além disso, durante todo o mandato da UNAVEM I, o General-de-Brigada Péricles Ferreira Gomes exerceu o comando do contingente de 70 observadores militares da Nações Unidas. 


Grupo de Observação das Nações Unidas na América Central - (ONUCA) 

De Abril de 1990 a janeiro de 1992, o Brasil contribuiu com 21 observadores militares para o Grupo de Observação das Nações Unidas na América Central, que atuou na Costa Rica, em El Savador, na Guatemala, em Honduras e na Nicarágua. 


Segunda Missão de Verificação das Nações Unidas em Angola  - (UNAVEM II) 

O Brasil continuou contribuindo para o segundo mandato da Missão de Verificação das Nações Unidas em Angola, de maio de 1991 a fevereiro de 1995, com oito observadores militares, nove observadores policiais, uma unidade médica e, para monitorar as eleições de setembro de 1992, quatro eleitorais (funcionários do TSE). O General-de-Brigada Péricles Ferreira Gomes continuou exercendo o comando do contingente de observadores militares nas Nações Unidas de maio de setembro de 1991. 


Missão de Observação da Nações Unidas em El Salvador - (ONUSAL) 

De julho de 1991 a abril de 1995, o Brasil contribuiu para a Missão de Observadores da Nações Unidas em El Salvador com 67 observadores militares, 15 observadores policiais, um unidade médica (de abril a maio de 1992) e cinco observadores eleitorais (para as eleições de março e abril de 1994). 


Operação das Nações Unidas em Moçambique - (ONUMOZ) 

De janeiro 1993 a dezembro 1994, o Brasil contribuiu para a Operação das Nações Unidas em Moçambique com 26 observadores militares, até 67 observadores policiais, uma unidade médica, 15 observadores eleitorais (treze do TSE e dois do Itamaraty, que monitoraram as eleições de outubro de 1994)e, de junho a dezembro de 1994, com uma companhia de infantaria de 170 militares. O General-de-Divisão Lélio Gonçalves Rodrigues da Silva exerceu o comando da ONUMOZ de fevereiro de 1993 a fevereiro de 1994. (Banco de Imagens) 


Missão de observação das Nações Unidas em Uganda-Ruanda - (UNOMUR) 

De agosto de 1993 a setembro de 1994, o Brasil cedeu dez observadores militares para a Missão de observação das Nações Unidas em Uganda-Ruanda. De outubro de 1993 a fevereiro de 1994, o Brasil forneceu uma equipe médica à UNOMOR. 


Força de Proteção das Nações Unidas na Antiga IUGOSLÁVIA - (UNPROFOR) 

O Brasil enviou um contingente de 23 observadores militares e 10 observadores policiais para a Força de Proteção das Nações Unidas na antiga Iugoslávia, de agosto de 1992 a dezembro de 1995. O General-de-Brigada Newton Bonumá exerceu o comando do contingente de observadores militares das Nações Unidas. (Banco de Imagens) 


Terceira Missão de Verificação das Nações Unidas em Angola - (UNAVEM III) 

De agosto de 1995 a julho de 1997, o Brasil contribuiu com um batalhão de infantaria (800 homens), uma companhia de engenharia (200 homens), dois postos saúde avançados (40 médicos e assistentes) e 
aproximadamente 40 oficiais do Estado-Maior para o terceiro mandato da Missão de Verificação das Nações Unidas em Angola. durante todo o período da missão, o Brasil também contribuiu com um média de 14 observadores militares e 11 observadores policiais. O Brasil chegou a ser o maior contribuinte de tropas para a UNAVEM III, que durante quase dois anos foi a maior operação de paz das Nações Unidas. A participação Brasileira na UNAVEM III fez com que o Brasil ocupasse, no início de 1996, a posição de quarto maior contribuinte de tropas para operações de paz das Nações Unidas. (Banco de Imagens) 


Missão de Observação das Nações Unidas em Angola - (MONUA) 

O Brasil contribuiu, durante todo o mandato da Missão de Observadores das Nações Unidas em Angola (de julho de 1997 a fevereiro de 1998) com uma média de quatro observadores militares, aproximadamente 20 observadores policiais e dois oficiais que atuaram no Estado-Maior da missão. Em março de 1999, o Brasil passou a ceder uma unidade médica,composto por 15 militares do Exército, para prestar apoio ao pessoal das Nações unidas em Luanda durante o período de liquidação técnica da MONUA. 


Missão das Nações Unidas em PREVLAKA (UNIMOP). 

O Brasil participa com um observador militar da Missão de Observadores das Nações unidas na Península da Prevlaka, Croácia, de Janeiro de 1996 até hoje. No período de 96 até Dez 99, esta função foi ocupada por um Militar da FAB. A partir de 23 Dez 99, até a presente data, o Exército Brasileiro assumiu nesta nova missão. 


Força Interamericana de Paz - (FIP) - OEA 

O Brasil participou da Força Interamericana de Paz, criada pela OEA para intervir na Crise política que havia eclodido na República Dominicana (1965 - 1966). A Força Interamericana - Brasil (FAIBRAS) foi empregada com um efetivo de um batalhão reforçado. 


Missão de Observadores Militares do Equador - Peru (MOMEP) 

A Missão de Observadores Militares Equador - Peru (MOMEP) foi criada em 10 de março de 1995 com a "Definição de Procedimentos Acordada entre as partes e os Países Garantes do Protocolo do Rio de Janeiro de 1942'' com o objetivo de solucionar o conflito fronteiriço entre o Peru e Equador. Essa missão teve duração aproximada de quatro anos e quatro meses e foi concluída, com pleno êxito, em 30 de junho de 1999. O Brasil teve a participação de aproximadamente 191 (cento e noventa e um) militares, entre Coordenadores-Gerais, observadores militares e Grupo de Apoio. (Banco de Imagens)

 


VOLTAR