INFORMAÇÕES IMPORTANTES DO CANAL DE SUEZ


IndexCanalDeSuez.jpg (27210 bytes)                   20contSgtHelioHolmesCanalDeSuez.jpg (35006 bytes)                     IndexCanalDeSuez2.jpg (27210 bytes)
 
 
Foto satélite do Canal de Suez, cortesia NASA.

 

É um canal longo de 163 km, que liga Port-Saïd, porto egípcio no Mar Mediterrâneo, a Suez, no Mar Vermelho.

Ele permite às embarcações irem da Europa à Ásia sem terem que contornar a África pelo cabo da Boa Esperança. 

Antes da sua construção, as mercadorias tinham que ser transportadas por terra entre o Mar Mediterrâneo e o Mar Vermelho.



Ferdinand de Lesseps

A companhia Suez de Ferdinand de Lesseps construiu o canal entre 1859 e 1869. 

No final dos trabalhos, o Egito e a França eram os proprietários do canal.

Estima-se que 1,5 milhões de egípcios tenham participado à construção do canal e que 125000 morreram, principalmente da cólera.

Em 17 de fevereiro de 1867, o primeiro navio atravessou o canal, mas a inauguração oficial foi em 17 de novembro de 1869. O imperador Napoleão III estava presente, e foi a première da ópera Aida.

A dívida externa do Egito obrigou o país a vender sua parte do canal ao Reino Unido, que garantia assim sua rota para as Índias. Essa compra, conduzida pelo primeiro- ministro Disraeli, foi financiada por um empréstimo do banco Rotschild. As tropas britânicas se instalaram às margens do canal para protegê-lo em 1882.

Mais tarde, durante a Primeira Guerra Mundial, os ingleses negociaram o Acordo Sykes-Picot, que dividia o Oriente Médio de modo a afastar a influência francesa do canal.

Em 26 de julho de 1956, Nasser nacionaliza a companhia do canal com o intuito de financiar a construção da Barragem de Assuã, após a recusa dos Estados Unidos de fornecer os fundos necessários. Em represália, os bens egípcios foram gelados e a ajuda alimentar suprimida. Os principais acionários do canal eram, então, os britânicos e os franceses. Além disso, Nasser denuncia a presença colonial do Reino Unido no Oriente Médio e apóia os nacionalistas na Guerra da Argélia. O Reino Unido, a França e Israel se lançam então numa operação militar, batizada « operação mosqueteiro », em 29 de outubro de 1956. A Crise do canal de Suez durou uma semana. A Nações unidas confirmaram a legitimidade egípcia e condenaram a expedição franco-israelo-britânica com uma resolução.

Após a Guerra dos Seis Dias de 1967, o canal permaneceu fechado até 1975, com uma força de manutenção da paz da ONU permanecendo lá estacionada até 1974.

O canal não possui eclusas, pois todo o trajeto está ao nível do mar, contrariamente ao canal do Panamá. Seu traçado apóia-se em três planos d'água, os lagos Manzala, Timsah e Amer.

O canal permite a passagem de navios de 15 m de quilha submersa, mas trabalhos são previstos a fim de permitir a passagem de supertankers com até 22 m até 2010.

Atualmente, esses enormes navios devem descarregar uma parte da carga em um barco pertencendo ao canal para poderem atravessar o canal.

A largura média do canal é de 365 metros, dos quais 190 m são navegáveis. Inicialmente, esses dois valores eram de 52 e 44 m. Situados dos dois lados do canal, os canais de derivação levam a largura total da obra a 195 km.

Aproximadamente 15000 navios por ano atravessam o canal, representando 14% do transporte mundial de mercadorias. Uma travessia demora de 11 a 16 horas.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. 

De: Theodoro da Silva Junior <theojr@terra.com.br> 
Data: 10/12/2005 (20:13:21) 


VOLTAR