NE/NTrT Custódio de Mello - G 15/U 26/G 20

Classe Custódio de Mello

 


 

 

"Rei dos Mares"

 

D a t a s

 

Batimento de Quilha: 13 de dezembro de 1953
Lançamento: 10 de junho de 1954
Incorporação: 1º de dezembro de 1954

Baixa: 2002

 

 

C a r a c t e r í s t i c a s

 

Deslocamento: 5.820 ton (padrão), 9.464 (carregado).
Dimensões: 119.44 m de comprimento, 16.06 m de boca e 6.25 m de calado.
Propulsão: Vapor; 2 caldeiras Foster-Wheeler/Ishikawajima a 350º C, 2 turbinas a vapor Ishikawajima gerando 4.800 shp, acoplados a 2 eixos.

Combustível: 861 toneladas.

Energia Elétrica: ?

Velocidade: máxima de 17 nós e cruzeiro de 15 nós.

Raio de Ação: 5.000 milhas à 14 nós.
Armamento: 4 canhões de 3 pol. (76,2 mm/50) Mk 26 em quatro reparos singelos, 2 metralhadoras Oerlikon Mk 10 de 20 mm em dois reparos singelos.
Sensores: 2 radares de navegação tipo Decca (instalados anos mais tarde).

Capacidade de Carga e Equipamentos: até 4.000 toneladas de carga, e 425 m3 de carga frigorífica, em três porões, capacidade para receber pequenos helicópteros ou carga helitransportada na popa. Ar condicionado e ventilação mecânica em todos os compartimentos habitáveis e de trabalho. Instalações completas para o transporte de tropas com sanitários, cozinha, etc., gabinetes médico, odontológicos e enfermaria.

Código Internacional de Chamada: PWJP

Tripulação: 127 homens.

Tropa Transportada: 497 homens ou 1.972 por curtos períodos.

 

H i s t ó r i c o

 

O Navio de Transporte de Tropas Custódio de Mello - G 20, é o primeiro navio da Marinha do Brasil a ostentar esse nome em homenagem ao Almirante Custódio José de Mello, Ministro da Marinha do Governo Floriano Peixoto. Foi construído pelo estaleiro Ishikawajima Heavy Industries Co. Ltd., em Tóquio, Japão. Teve sua quilha batida em 13 de dezembro de 1953, foi lançado ao mar em 10 de junho de 1954, tendo como madrinha a Sra. Barbosa Carneiro, esposa do Embaixador do Brasil no Japão. Foi entregue em 9 de outubro de 1954 e submetido a Mostra de Armamento em 1º de dezembro de 1954. Naquela ocasião, assumiu o comando o Capitão-de-Mar-e-Guerra Raimundo da Costa Figueira.

 

1955

 

Em 8 de fevereiro, foi incorporado a Esquadra em cerimônia realizada em Belém (PA).

 

Em 17 de março chegou ao Rio de Janeiro.

 

1957

 

Transportou um Batalhão do Exercito Brasileiro que se integrou a Força de Paz da ONU na região de Suez.

 

1959

 

Entre 1º de agosto e 12 de dezembro, ainda como Navio Transporte, realizou a sua I Viagem de Instrução de Guardas-Marinha (I VIGM).

 

1961

 

Em 13 de julho, foi recomissionado como Navio-Escola pelo Aviso n.º 1407.

 

1968

 

Realizou VIGM, sendo essa a quinta circunavegação realizada por um Navio-Escola brasileiro.

 

1980

 

Em agosto, em escala em Lagos, Nigéria durante a sua XXII VIGM, juntou-se ao NT Marajó - G 27 e aos CT Sergipe - D 35 e Alagoas - D 36, que realizavam a comissão AFRICA 80, formando um GT para travessia para o Brasil, com escalas em Abidjan (Costa do Marfim) e na Ilha de Ascensão (Território Britânico).

 

1981

 

Em 21 de março, suspendeu do Rio de Janeiro, iniciando a sua XXIII VIGM, transportando 127 Guardas-Marinha, dois Aspirantes-a-Oficial do EB, um Segundo-Tenente Aviador da FAB, Guardas-Marinha da Argentina, Chile, Uruguai, Paraguai, Peru, Bolívia, Equador, Venezuela e México, além de um Terceiro Secretario do Ministério das Relações Exteriores. Foram escalados os portos de Fortaleza (CE), Manaus (AM), Belém (PA), Oiapoque, La Guaira (Venezuela), Cartagena (Colômbia), Vera Cruz (México), New Orleans (Louisiana-EUA), Fort Lauderdale (Florida-EUA), Ilha da Madeira, Barcelona (Espanha), Toulon (França), Londres (Grã-Bretanha), Stockholm (Suécia), Copenhagen (Dinamarca), Hamburgo (Alemanha), Lisboa (Portugal), Praia (Cabo Verde), Dakar (Senegal), Recife (PE) e Salvador (BA).

 

Em 5 de setembro, chegou ao Rio de Janeiro, encerrando a XXIII VIGM.

 

1982

 

Em 17 de março, suspendeu do Rio de Janeiro, iniciando a sua XXIV VIGM com escalas programadas para Fortaleza (CE), Manaus (AM), Belém (PA), Fort Lauderdale (Florida-EUA), Funchal (Portugal), Barcelona (Espanha), Toulon (França), Pireus (Grécia), Civitavecchia (Itália), Sevilha (Espanha), Londres (Grã-Bretanha), Amsterdã (Holanda), Hamburgo (Alemanha), Rouen (França), Lisboa (Portugal), Las Palmas (Ilhas Canárias), Cabo Verde, Abdijan (Costa do Marfim ) e Recife (PE). Quando escalou em Sevilha, o navio teve a sua estada prolongada por mais três dias, com a guarnição do navio engrossando a torcida do Brasil, no 3º jogo de nossa seleção durante a Copa do Mundo daquele ano. Com o avanço da seleção, para a fase seguinte da competição, o navio seguiu para Barcelona, onde já havia estado um mês antes. Devido ao prolongamento da escala em Sevilha, e, a segunda visita a Barcelona, foram retiradas da programação as escalas em Londres e Amsterdã. 

 

1984

 

Realizou a sua XXVI, escalando em Miami, Barcelona, Roma, Lisboa, Antuérpia e Rouen, entre outros portos.

 

1985

 

Em 12 de março, suspendeu do Rio de Janeiro, iniciando a sua XXVII VIGM com escalas em Maceió (AL), Fortaleza (CE), San Juan (Puerto Rico), Fort Lauderdale (Florida-EUA), Baltimore (Maryland-EUA), Funchal (Ilha da Madeira), Trípoli (Síria), Pireus (Grécia), Civitavecchia (Itália), Toulon (França), Barcelona (Espanha), Lisboa (Portugal), Rouen (França), Kiel (Alemanha), Helsinki (Finlândia), Capenhagen (Dinamarca), Antuérpia (Bélgica), Londres (Grã-Bretanha), Tenerife (Ilhas Canárias), Praia (Cabo Verde), Belém (PA), Manaus (AM), Recife (PE) e Salvador (BA).

 

Em 8 de maio, em escala em Lisboa (Portugal) durante a XXVII VIGM, foi visitado por um grupo de veteranos da FEB que se encontrava na Europa para participar das comemorações dos 40 anos do fim da 2ª Guerra Mundial.

 

Em 17 de maio, durante a travessia Pireus (Grécia)-Civitavecchia (Itália), cruzou o Estreito de Corinto.

 

Em 31 de agosto, chegou ao Rio de Janeiro, encerrando a XXVII VIGM.

 

1986

 

Sofreu um PNR - Período Normal de Reparos.

 

Realizou, a sua XXVIII e última Viagem de Instrução de Guardas-Marinha, sendo substituído a partir de 1987, pelo Navio Escola Brasil - U 27. Entre os portos escalados estavam Oslo (Noruega) em 20 de agosto, Lisboa (Portugal) de 8 a 12 de setembro, Toulon (França) de 16 a 20 de setembro, Pireus (Grécia) de 24 a 27 de setembro, Livorno (Itália) de 4 a 9 de outubro, Barcelona (Espanha) de 6 a 11 de outubro e Rio Grande e Porto Alegre (RS) em dezembro.

 

Em 25 de novembro, foi recomissionado como Navio Transporte de de Tropas, pela Portaria n.º 1056.

 

1987

 

Em dezembro, participou da Operação DRAGÃO XXIII, integrando FT sob o comando do ComenCh VA Mário César Flores.

 

1988

 

Em janeiro, participou da Operação ASPIRANTEX 88/TROPICALEX I/88 realizada na área marítima entre o Rio de Janeiro e Alagoas, integrando a Força-Tarefa 10, sob o comando do ComenCh, Vice-Almirante José do Cabo Teixeira de Carvalho. Participaram da operação o NAeL Minas Gerais - A 11, as F Niterói - F 40, Constituição - F 42 e Independência - F 44, os CT Marcilio Dias - D 25, Maranhão - D 33, Piauí - D 31, Sergipe - D 35 e Espírito Santo - D 38, o NDCC Duque de Caxias - G 26, o NT Marajó - G 27 e os S Humaitá - S 20, S Riachuelo - S 21 e S Goiás - S 15. Foram visitados os portos de Salvador (BA), Recife (PE).

 

1996

 

Em 4 de março, foi criado o Comando do 1º Esquadrão de Apoio (ComEsqdAp-1) ao qual passou a ser subordinado.

 

2000

 

Entre 23 e 30 de maio, participou da Operação RIBEIREX AM-2000, realizada na região de Coari. Com a missão de conquistar e manter as localidades de Livramento, Itapeuá e o Bairro de Pêra, a Força-Tarefa Ribeirinha (ForTaRib) foi constituída além do Custódio de Mello, pelos NPaFlu Pedro Teixeira - P 20, Raposo Tavares - P 21, Roraima - P 30, Rondônia - P 31 e Amapá - P 32; NPa Bocaina - P 62; Cv Angostura - V 20, e pelos destacamentos do Grupamento de Fuzileiros Navais de Manaus (GptFNMN), 3º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral (EsqdHU-3), Companhia de Comunicações dos Fuzileiros Navais (CiaComFN), Companhia de Guerra Eletrônica dos Fuzileiros Navais (CiaGEFN), Batalhão de Engenharia dos Fuzileiros Navais (BtlEngFuzNav) e do Batalhão de Operações Especiais dos Fuzileiros Navais "Btl Tonelero" (BtlOpEspFuzNav). Integraram o figurativo inimigo a Cv Solimões - V 24 e o NPa Pampeiro - P 12.

 

Em agosto, participou da Operação DEPORTEX-SSE 00, realizada no porto de Santos. Também participaram desse exercício o NTrT Soares Dutra - G 22, uma companhia do Grupamento de Fuzileiros Navais do Rio de Janeiro (RJ) e unidades do Grupamento Naval do Sudeste.

 

2001

 

Em 31 de janeiro, o Comando do 1º Esquadrão de Navio Anfíbios, foi extinto e absorvido pelo Comando do 1º Esquadrão de Apoio (ComEsqdAp-1), pelo Decreto n.º 3682 de 06/12/2000.

 

Em setembro visitou o porto de Porto Alegre (RS).

 

Entre 1º e 12 de dezembro, participou da Operação DRAGÃO XXXVI, realizada na região de Itaóca (ES), integrando a Força-Tarefa Anfíbia comandada pelo Comando da 1ª Divisão da Esquadra (ComDivE-1), que incluía também o NDD Rio de Janeiro - G 31, NDCC Mattoso Maia - G 28, NTrT Ary Parreiras - G 21 e o RbAM Tridente - R 22. Também participaram do exercício quatro helicópteros da Força Aeronaval (ForAerNav) e quatro aeronaves AT-27 Tucano da FAB. Uma Unidade Anfíbia de fuzileiros navais, formou a Força de Desembarque sob o comando do Comando da Divisão Anfíbia (ComDivAnf).

 

2002

 

Deu baixa, pelo Aviso de 27/09/2002, depois de 48 anos de serviço ativo.

 

2004

 

O casco do ex-NTrT Custódio de Mello, foi colocado em leilão pela EMGEPRON por R$ 420.000,00 e arrematado por R$ 680.000,00.

 

 

R e l a ç ã o    d e    C o m a n d a n t e s

 
Comandante Período
CMG Raimundo da Costa Figueira 01/12/1954 a __/__/19__
CMG Roberto Andersen Cavalcante 19/12/1966 a 11/03/1968
CMG Henrique Saboia __/__/197_ a __/__/197_
CMG Bernard David Blower __/__/197_ a __/__/197_
CMG Gothardo de Miranda e Silva __/__/197_ a 03/02/1978
CMG Carlos Augusto Vilhena de Magalhães Cunha  03/02/1978 a __/__/197_
CMG Roberto de Oliveira Coimbra 02/10/1981 a 12/11/1982
CMG Jelcias Baptista da Silva Castro __/__/198_ a __/__/198_
CMG Fernando Luiz Pinto da Luz Furtado de Mendonça __/__/198_ a __/__/198_
CF Carlos Renato Campos Rangel(1) __/__/2000 a __/__/2001

I m a g e n s

 

 

O Custódio de Mello, como Transporte de Tropas. (foto: MB)

 

 

O Custódio de Mello, saindo de Porto de Santos em 17 de agosto de 2000. (foto: Marcelo Lopes)

 

 

 

O Custódio de Mello, como Navio Escola entrando no Porto de Antuérpia. (foto: ?)

 

 

 

O Navio Escola Custódio de Mello, atracado em porto europeu. (foto: SDM)

 

 

 

Detalhes do ex-Custódio de Mello, encostado na Base Naval do Rio de Janeiro. (foto: Paulo de Oliveira Ribeiro, ASPIRANTEX 03 - 16/01/03)

 

 

 

O NE Custódio de Mello - U 26, atracando no AMRJ no retorno de mais uma VIGM. (foto: SRPM)

 

 

O NE Custódio de Mello - U 26, atracando no AMRJ no retorno de mais uma VIGM. (foto: SRPM)

 

 

O NE Custódio de Mello - U 26, navegando no Rio Amazonas durante a sua XXIII VIGM, em 1981. (foto: SRPM)

 

 

 
O NE Custódio de Mello - U 26, em Viagem de Instrução pela Europa. (foto: SDM)
 
 

O NE Custódio de Mello - U 26, em Viagem de Instrução. (foto: SRPM)

 

 

O NE Custódio de Mello - U 26, fundeado em uma boia na Baia da Guanabara, pouco antes de partir para mais uma Viagem de Instrução. (foto: SRPM)

 

 

O NE Custódio de Mello - U 26, fundeado em uma boia na Baia da Guanabara, pouco antes de partir para mais uma Viagem de Instrução. (foto: SRPM)

 

 

 

B i b l i o g r a f i a

 

- Baker III, A.D. Combat Fleets of the World 1998-1999. Annapolis, MD: Naval Institute Press, 1998.

 

- Mendonça, Mário F. e Vasconcelos, Alberto. Repositório de Nomes dos Navios da Esquadra Brasileira. 3ª edição. Rio de Janeiro. SDGM. 1959. p.77.

 

- Site da Turma Dedo -

 

- NOMAR - Noticias da Marinha, Rio de Janeiro, SDGM, n.º 443, mai. 1980; n.º 455, mai. 1981; n.º 459, set. 1981; n.º 463, jan. 1982; n.º 496, out. 1984; n.º 501, mar. 1985; n.º 502, abr./mai./jun. 1985; n.º 503, jul. 1985; n.º 519, nov. 1986; n.º 520, dez. 1986; n.º 534, fev. 1988; n.º 535, mar. 1988; n.º 677, ago. 1998; n.º 699, jul. 2000; n.º 714, out. 2001; n.º 718, fev. 2002.

 

- Revista Tecnologia & Defesa, São Paulo, N.º 36, 1988.

 

- Folheto do Lançamento ao Mar do NTrT Ary Parreiras, Ishikawajima Heavy Industries Co., Tokyo, Jap


VOLTAR