Nomenclatura Militar



BREVE NOMENCLATURA MILITAR


1- PATENTES

São as seguintes as patentes dos OFICIAIS das Forças Armadas:

MARECHAL (cinco estrelas)
Patente honorífica, que foi extinta no Governo Castelo Branco.
Ao passarem para a Reserva, os Generais-de-Exército eram promovidos ao Marechalato.
* Até o ano de 1968, quando morreu o Marechal Mascarenhas de Morais, foi mantido no Serviço Ativo, por decisão do Congresso Nacional. Era uma homenagem ao Comandante da FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA.
No ano de 1975 eles eram 73 Marechais.

GENERAL-DE-EXÉRCITO (quatro estrelas)
É a patente mais alta dos Oficiais da Ativa.
No ano de 1964 o Exército tinha catorze (14)quatro estrelas. Sendo quatro(4) em Comandos de Exércitos, um na Chefia do Estado-Maior e outros quatro na Chefia de Departamentos Administrativos. Juntos, formavam o ALTO-COMANDO.
Um Oficial pode ter quatro estrelas e ficar sem função, assim como pode ter função(o comando da Escola Superior de Guerra, por exemplo) e não pertencer ao Alto-Comando. (Essa patente corresponde à de Almirante-de-Esquadra na Marinha e a de Tenente-Brigadeiro na Força Aérea).

GENERAL-DE-DIVISÃO (três estrelas)
Em 1964 eram 31; Em 1975, 42. * Computaram-se os Engenheiros Militares(dois); Médicos(um); Veterinários(um); e Intendentes (um).
Os Generais três-estrelas comandam as Divisões de Tropas (a 1ª Divisão de Infantaria, da Vila Militar, no RJ, por exemplo). Ocupam as Vice-Chefias do Estado-Maior e dos Departamentos. Também chefiam as Regiões Militares.
(Corresponde ao Vice-Almirante e ao Major-Brigadeiro) 

GENERAL-DE-BRIGADA (DUAS ESTRELAS)
Em 1964 eram 73. Em 1975 eram 93.
Um General de duas estrelas pode comandar um Unidade importante, como a Brigada Pára-Quedistas, ou uma Diretoria Burocrática.
(Corresponde ao Contra-Almirante e ao Brigadeiro)
Em 1964 a idade média dos Generais-de-Brigada ficava em pouco menos de 54 anos.

Pela Reforma de 1967, devida ao Presidente Castello Branco, nenhum oficial pode permanecer mais de doze anos na ativa como General. Além disso, cada uma das patentes deve ter 25% de seu Quadro efetivo renovado a cada ano. Essa normas vigoram ainda até hoje.

CORONEL
Em 1964, o Exército tinha 340 Coronéis em funções consideradas militares. Em 1975 eram 408 Coronéis.

Na Tropa, o Coronel comanda um Regimento.
(Corresponde ao Capitão-de-Mar e Guerra da Marinha)

Pela Reforma de Castello Branco nenhum Coronel pode permanecer menos de sete anos e mais de nove anos na patente.

TENENTE-CORONEL
Comanda um Batalhão.
Patente em que se ficava em torno de cinco anos na ativa.
A etiqueta Militar dá aos Tenentes-Coronéis o tratamento de "Coronel".
(Corresponde ao Capitão-de-Fragata da Marinha)

MAJOR
Comanda um Batalhão.
(Corresponde ao Capitão-de-Corveta da Marinha)

CAPITÃO
Comanda uma Companhia.
Em 1975 o Exército tinha cerca de 2 mil Capitães.

TENENTE
Comanda um Pelotão.
Na média, de cada cem Tenentes, seis chegam a General.
 

2 - ESTRUTURA

No Exército convivem duas estruturas. Uma, diretamente relacionada com as Tropas de Combate, é bastante simples. Outra, na qual está a burocracia, é mais complexa.

É a seguinte a estrutura de uma Tropa de Combate, vista de baixo para cima:
PELOTÃO:
Tem um efetivo que pode variar entre trinta e cinquenta homens. É comandado por Tenente.

COMPANHIA:
Três Pelotões formam uma Companhia. Tem cerca de 150 homens. É comandada por um Capitão.

BATALHÃO:
Três Companhias formam um Batalhão. Seu efetivo oscila de trezentos a 450 homens, comandados por um Major ou por um Tenente-Coronel.

REGIMENTO:
Três Batalhões formam um regimento. Tem entre mil a 1.500 homens e é comandado por um Coronel.

BRIGADA:
É uma Unidade de composição mista, sempre comandada por um General de duas estrelas.
Seu efetivo pode variar entre cinco mil a dez mil homens.

DIVISÃO:
Um número variável de Brigadas e Regimentos agrupam-se numa Divisão.
Essa é a principal Unidade Combatente.
Reúne Tropas das diferentes Armas.
Nelas as Tropas de Infantaria e de Artilharia ficavam sob o comando de Generais, numa Infantaria Divisionária (ID) e numa Artilharia Divisionária (AD).

EXÉRCITO:
Conhecido como "Grande Comando", agrupa todas as Tropas de uma determinada Região Geográfica.
As Tropas Terrestres estavam assim divididas:-
I Exército, com Jurisdição sobre as Tropas do Rio de Janeiro(onde ficava o comando): MInas Gerais e Espírito Santo;

II Exército, incluindo São Paulo(sede do comando) e Mato Grosso:
III Exército, incluindo o Rio Grande do Sul(sede do comando em Porto Alegre) Santa Catarina e Paraná;

IV Exército, com sede em Recife, englobando todos os Estados do Nordeste do Brasil.

Além desses grandes comandos ocupados por
quatro-estrelas, havia dois outros, sob as Ordens de Generais-de-divisão:
Comando Militar da Amazônia, com sede em Manaus, e
Comando Militar do Planalto, com sede em Brasília e Jurisdição sobre o distrito Federal e Goiás.

Existiam também onze Regiões Militares, comandadas por Generais-de-Divisão.
A Região cuida essencialmente do Apoio Logístico ao Exército em cuja área se situa.
Eram as seguintes as REGIÕES MILITARES:

01ª RM, com sede no Rio de Janeiro - RJ.
02ª RM, com sede em São Paulo - SP.
03ª RM, com sede em Porto Alegre - RS.
04ª RM, com sede em Juiz de Fora - MG.
05ª RM, com sede em Curitiba - PR.
06ª RM, com sede em Salvador - BA.
07ª RM, com sede em Recife - PE.
08ª RM, com sede em Belém - PA.
09ª RM, com sede em Campo Grande - MS
10ª RM, com sede em Fortaleza - CE. e
11ª RM, com sede em Brasília - DF.

Colaboração
Data: Mon, 30 Jun 2003 10:35:57 -0300
De: Theodoro <theojunior@uol.com.br

VOLTAR