ETERNO ESTANDARTE 
(Ontem...)




Velho navio sem mastro,

Encanecido e arruinado,

Invalidado e liquidado.

Depois de singrar os mares,

Levando a mensagem da paz,

À todos cantos da terra...



Trazido por fim à costa 

E solidamente amarrado,

Para lá ficar e enferrujar.

E ter suas entranhas,

Por traças devoradas...



(Hoje...)

Porém um teimoso Boina-Azul...

Deserdado também, pela sorte...

Fez dele seu ultimo refugio, e

Sonhador, remendou nosso estandarte

E improvisou um novo mastro



Já com seu orgulho restaurado 

O pavilhão do Batalhão Suez

Altaneiro, tremula ao doce vento

Para que todos possam admirá-lo

Quiçá... até o fim de nossos dias ... 



Edison Iabel, Soldado Intérprete do 20º Contingente.

(Inspirado no grande poeta americano Walt Whitman...)

 

De: Theodoro da Silva Junior <theojunior@uol.com.br> 
Data: 24/12/2004 (00:02:51) 

 


VOLTAR