Dois de Ouro e o Btl.Avaí Hoje


  " DOIS DE OURO "

“No final do século XVII (1670), novas minas de ouro foram descobertas no interior da província de São Paulo (Cananéia). Esse ouro começou a ser escoado para Portugal em 1694 pelo Rio de Janeiro, onde havia um pequeno porto na época. Com intuito de defender a riqueza que vinha da colônia, o Rei de Portugal, Dom Pedro II, decidiu mandar reforçar a guarnição do Rio de Janeiro com 4 companhias de infantes, retirados dos logradouros do Minho e do Douro. O vice-rei Artur de Sá Menezes, em Carta Régia de 29 de setembro de 1699, completou essas companhias portuguesas com tropas da cidade. Formou-se então, mais um terço na guarnição. Nascia o Terço do Rio de Janeiro - o Novo, o qual, em 1749, teve sua denominação mudada para Regimento do Rio de Janeiro – o Novo. Já em 1818, em decorrência da economia e da evolução tática da época, transformou-se no 2º Batalhão de Fuzileiros da Corte. No início desse século transforma-se no 2º Regimento de Infantaria e a partir de 1972, recebe a denominação de 2º Batalhão de Infantaria Motorizado (Escola).

Em sua história, repleta de glórias e conquistas, o Regimento Avaí, uma das mais antigas unidades do Exército Brasileiro, teve o seu batismo de fogo com a expulsão dos franceses em 1710 e participou de momentos importantes da formação de nossa nacionalidade, sendo sua mais célebre missão de combate e aquela que deu sua atual denominação histórica, a Batalha do Avaí, durante a Guerra do Paraguai.

O glorioso “Dois de Ouro” teve ainda ilustre participação na Segunda Grande Guerra, integrando a Força Expedicionária Brasileira (FEB), na luta contra o nazi-fascismo, nos campos de batalha da Europa.

Em 1956, confirmando a tradições de luta pela manutenção da paz entre povos, o Regimento Avaí integrou a 1º Operação de paz das Nações Unidas no período após a guerra, entre Egito e Israel, enviando para a faixa de Gaza o seu III Batalhão, o “Batalhão Suez”.

Por sua participação no Oriente Médio, como integrante da 1ª United Nations Emergency Force, durante quase 10 anos, veio a receber o Prêmio Nobel da Paz, 1988

O 2º Batalhão de Infantaria Motorizada (Escola) é integrante do Grupamento de Unidades Escola / 9ª Brigada de Infantaria Motorizada e hoje completa 300 anos de história, mantendo acesa a chama do seu lema: “Tudo pelo cumprimento do dever”.   

*O Boina Azul-1 – Set./1999 - Texto extraído do convite da Solenidade dos 300 anos do Regimento Avaí enviado ao presidente da Associação SP. pelo Cel. Com. Luiz Afonso Gomas de Souza.

 


REGIMENTO AVAÍ  HOJE
 


Palavras do comandante na formatura matinal

O 2º Batalhão de Infantaria Motorizado (Escola), "Regimento Avaí" [2º BIMtz (Es)], integra o Grupamento de Unidades Escola/9ª Brigada de Infantaria Motorizada. Sediado na Vila Militar, na cidade do Rio de Janeiro, cumpre missões específicas de unidade de Infantaria.
 
Além de cooperar com a instrução de várias organizações militares – Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais e Academia Militar das Agulhas Negras, por exemplo – o 2º BIMtz (Es) desenvolve o Curso de Formação de Soldados, o Curso de Formação de Cabos e o Curso de Formação de Sargentos Temporários. Cumpre um programa de adestramento que inclui exercícios de guerra regular e de garantia da lei e da ordem. Em 1999, participou da "Operação Saci", constituindo força de acompanhamento e apoio na junção realizada com as tropas da Brigada de Infantaria Pára-quedista.
 
O 2º BIMtz (Es), além de sua atividade-fim, conduz um núcleo do "Programa Rio Criança Cidadã",propiciando estudos e formação técnica a jovens humildes.
 
Nesta década, "o Regimento Avaí" integrou o dispositivo de segurança estruturado para atender importantes eventos que projetaram o Brasil no cenário internacional: a Reunião de Cúpula sobre Ecologia (ECO 92) e a Cimeira (encontro de chefes de Estado e de Governo da América Latina, do Caribe e da Europa).

Instalações atuais do 2º BIMtz (Es)

 

 

              
 

 
 

 

 


VOLTAR