REIVINDICAÇÕES E O NOBEL DA PAZ

 

Dirceu Vaz da Fonseca

Prezados companheiros de missão. 

Gostaria de me meter nessa seara, embora seja uma pessoa leiga no que se refere a questões jurídicas. 

Sinceramente,  sinto-me  envergonhado com tantas recusas aos  pedidos que alguns companheiros, representados por vários advogados e por diversos políticos fazem para o reconhecimento e equiparação do nosso pessoal com a categoria dos ex-combatentes. 

Também acho muito improvável que qualquer reivindicação dos integrantes do Btl.Suez que sejam aceitas pelo governo brasileiro. 

A forma que vejo esse fato, tenho convicção que  vai de encontro as opiniões de um modo geral, mas que eu gostaria que os amigos esperassem eu completar o raciocínio para fazerem os julgamentos. 

Até hoje, o nosso grupo brigou por uma equiparação que de forma nenhuma é verdadeira. Nós não somos ex-combatentes. Nós não somos soldados da borracha. Nós não somos da Marinha Mercante. 

Sem querer tirar o brilho e o mérito das pessoas que pertencem a essas categorias, apesar que, o que eles fizeram, foi por imposição, alguns até tendo que ser tirados de baixo da cama, muitos se esconderam. 

É bem verdade, que alguns foram realmente merecedores de  justas homenagens. Tenho experiências não muito agradáveis com os ex-combatentes da FEB, até de rejeição aos Boinas Azuis. Não são todos. 

Nós, Boinas Azuis, somos um caso diferente. Eu  considero que pertenci a uma classe elite do Exército Brasileiro. Deveríamos ser reverenciados por todas as autoridades do país. Saímos em Missão VOLUNTARIAMENTE em prol da paz entre duas nações que viviam e continuam vivendo revanchismos, digladiando-se por causa de um pedaço de terra que vale muito pouco. Essa guerra é secular. Estávamos em um período grave da guerra fria, entre as maiores potências mundiais. Todos tínhamos conhecimento desses fatos. Sabíamos que iríamos nos meter em um estopim para uma terceira guerra mundial. Felizmente, digo mais uma vez, com a nossa participação, esse fato não se consumou. 

Quando a guerra dos seis dias ocorreu, as grandes potências já haviam esfriado as picuinhas e os acordos já haviam sido selados. A briga ficou realmente entre os povos árabes e judeus, sem deixarem, contudo, de receberam apoio logístico dos grandes fornecedores de armamento. 

A nossa participação foi tão relevante, a ponto de termos recebido a maior honraria que um grupo pode almejar, que é o Prêmio Nobel da Paz. 

Talvez esse fato, seja o principal motivo da reação negativa das pessoas e das entidades que não conseguiram esse reconhecimento. Talvez, se instituírem o Nobel da Guerra, o Nobel da Morte, os soldados da guerra o recebam, com muita justiça.

Agora, o Nobel da Paz é meu e ninguém tira. Meu e dos meus companheiros Boinas Azuis. Não é necessário que alguma instituição tome a iniciativa de nos condecorar. Eu já me condecorei. Digo com muito orgulho. Eu sou um Boina Azul, detentor do Premio Nobel da Paz.

Voltando a reivindicação dos companheiros, a minha opinião, é que devemos brigar, e brigar muito, pelo reconhecimento de nossa classe. Não de ex-combatentes. Nós somos os soldados da Paz. Ninguém pode negar esse fato. Nós e todos que saíram do pais em defesa da harmonia de paises em litígio. Se o governo premiou aos  Febianos, pessoal da Marinha Mercante, jogadores de futebol que honraram o nome do país,  tudo bem, quanto ao mérito do Nobel da Paz será que algum político terá coragem de negar esse fato? Será que algum jurista arranjará alguma jurisprudência para contrariar esse fato. Acho que todos teriam vergonha de dizer que não merecemos esse reconhecimento, apesar do Nobel, ou então, eles acham que esse fato não ocorreu. 

Precisamos de um político que crie uma lei, instituindo a classe dos Boinas Azuis -Soldados da Paz, com salário condizente ao valor do que representamos. 

ISSO E UM FATO INCONTESTÁVEL. 

O grande esforço feito pelos amigos, foi de muita valia, porém, acho também, que o início não foi pelo caminho mais CORRETO, que é o da realidade imutável. Não me considero o dono da verdade. Na minha forma de ver, as pessoas que deram opinião sobre essas reivindicações foram unânimes em afirmar a improcedência dos pedidos. Quanto à remuneração desejada, seria um caso a estudar. 

Um salamalico a todos, 

Dirceu Vaz da Fonseca.

AUTOR DO LIVRO
"UM MERGULHO NO PASSADO"
DIRCEU VAZ FONSECA 7º CONTINGENTE DO BTL.SUEZ.
e-MAIL : dirceuvazf@hotmail.com

de Theodoro da Silva Junior <theojr@terra.com.br
data 19/10/2008 10:51
assunto REIVINDICAÇÕES E O NOBEL DA PAZ


VOLTAR