"SITREP" AO BTL.SUEZ

 

Por Malta


Meus velhos companheiros de areia do Sinai, vejam só o que me aconteceu ainda outro dia.

Estava andando pela praia, pisando na areia seca e molhada e olhando fundo para aquele mar azul, lembrando da nossa passagem pelas areias do deserto do Sinai com aquele céu azul da cor da nossa boina. Quantas lembranças me vieram ! Que aventura aquela nossa em busca de uma esperança pela Paz! 

O pensamento corria solto ali comigo, como o vento que vinha do mar. Eram lembranças de todo tipo tanto tristes como alegres. Mas, a amplitude imensa do horizonte aos meus olhos também me disseram algo. Vi, por exemplo, que alem da intensidade da experiência pessoal que cada qual de nos tivemos naquela missão do Batalhão Brasileiro de Suez, havia ainda que contar a intensidade da nossa interferência positiva para que a paz acontecesse no mundo, durante a nossa presença lá naquelas areias distantes. E fiquei imaginando: Seis mil brasileiros saíram de seus lares e de suas vidas particulares para se juntarem numa causa comum, bela, limpa e brilhante… 

Mas isto foi no século passado!  

Onde andaria hoje toda essa gente? Em que areias diferentes, distantes ou próximas, estariam eles agora pisando?Quais seriam as suas experiências pessoais depois daquela que tivemos em comum, numa faixa de areia entre o Egito e Israel? 

Assim fui, caminhando pela praia, imaginando se um dia, de alguma forma,  todos esses bravos pacificadores teriam a chance de se recontactarem ou, de pelo menos, se congratularem pelo mérito de mesmo ímpeto; pelo mérito de mesma causa; pelo mérito da irmandade no pensamento, na palavra e na ação… 

Que dificuldade, quase sem limites, teria sido a de tentar obter a possibilidade desta reunião de todos os nossos 6 mil companheiros, se não fosse a ocorrência de dois significativos eventos! Quais sejam: 

-         o reconhecimento pela organização Nobel do mérito ao Premio Nobel da Paz, concedido a todos nos que lá, na areia , muitas vezes escaldante, estivemos presentes em defesa da paz;

-         o nascimento da Internet que possibilitou a imediata criação do nosso Site do Btl Suez ( www.BatalhaoSuez.com.br ) graças a velocidade, capacidade e diligencia do companheiro Alceu, do Cb Vargas e do Cb Teodoro. 

Tudo isto rodava na minha cabeça, durante a minha caminhada  pela praia quando deparei com uma garrafinha boiando entre a linha das ultimas ondas e a areia da praia. Minha primeira reação foi  de repulsa; foi contra a poluição; foi contra o descuido, o desleixo de certo tipo de gente que não pensa no outro e, pouco importa a eles se estão sujando, danificando o território alheio… Pensei comigo: este pessoal desmazelado deveria aprender a lição que tivemos em Suez ao cuidar, diariamente, pelo melhor possível, no conflito entre áreas, demarcações, bandeiras e vizinhos…A paz tem a característica da brancura e da limpidez ante a mistura do conflito. 

Mas, outra não foi a minha surpresa quando percebi que dentro da garrafinha havia um papel escrito.  

Mensagem ao mar? Conde de Monte Cristo?Pesquisa cientifica? Brincadeira? Sei lá… abri a garrafinha e de fato havia uma mensagem “datilografada” meio hieroglifada, não tão fácil de ser lida de imediato…aparentemente não consegui identificar ali nenhum tipo de língua viva nos dias de hoje. 

Contudo, ( faraó, veio-de-guerra-e-paz, cabo-das-cabacidades, sobrevivente das areias da ADL, sombra de capeta e antigão e continuador indelével da nossa missão)assentei minha velha bunda na areia e me perguntei: que lição eu tenho das areias que possa me ajudar a decifrar esta mensagem? 

A resposta mental veio de imediato: "SITREP". Pra quem esteve na fronteira do deserto sabe que "Sitrep" quer dizer "Situation Report". O "sitrep" era parte da nossa missão na Linha de Demarcação do Armistício ( ADL ) Tinha aprendido lá a lidar com mensagens cifradas. 

Coloquei o papel da garrafinha aberto diante de mim e assim que li as duas primeiras palavras, percebi que qualquer um que tivesse escrito aquelas linhas esteve usando uma maquina datilográfica que nem todos os tipos estavam funcionando.Então, substituiu alguns. Não era uma mensagem cifrada. Era uma mensagem de quem, por falta de recursos completos usava a sua inteligência, esperança e meios para se comunicar. Tudo muito semelhante assim como o nosso Site do Btl Suez, hoje, tem a mesma esperança, inteligência e meios para alcançar cada ilha longínqua de seus 6 mil membros, soltas pelo imenso oceano do tempo. 

Eis a mensagem da garrafinha: 

Faraós: que tal usarmos a imaginação para ajudar a recuperar nossa verdade? vide anexo ( de um tempinho pra foto ) sem tempestade de areia, Cb.Malta

 

Assunto: SITREP ao Btl SUEZ 
Remetente: Emalta93@aol.com 
Responder para: Emalta93@aol.com 
Data: Sat, 13 May 2006 17:45:55 GMT
 


VOLTAR