A  GUERRA  ESQUECIDA

A História dos Conflitos

A crise de Suez   -

O Filme : http://www.youtube.com/watch?v=eGrdjVD-5fU (87k)

 


 


A crise de Suez foi uma guerra que aconteceu principalmente em territórios do Egito, em 1956.

Tempos atrás, o Canal de Suez, de grande importância pois ligava o Mar Mediterrâneo e o Mar Vermelho, foi fundado pela França e pelo Egito em 1869. Apesar disso, tanto o território que envolvia o canal quanto a empresa que o operava eram egípcios. Em 1875, o governo da Inglaterra comprou parte da empresa que operava o canal, ganhando controle parcial sobre suas operações. Anos depois, em 1882, durante intervenções estrangeiras no Egito, a Inglaterra tomou o controle do canal, que se tornou importantíssimo durante a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais.

Em 1952, oficiais do Exército do Egito depuseram a monarquia do Rei Farouk, no Egito, que era um grande aliado da Inglaterra. O novo governo se tornaria independente, sem qualquer operação conjunta com países europeus. Isso gerou uma preocupação sobre o que aconteceria com o canal de Suez.

Nos anos seguintes, entre 1953 e 1956, a Faixa de Gaza, sob domínio do Egito, havia se tornado um acúmulo de refugiados da Guerra Árabe-Israelense, de 1948. Israel não cumpria com as ordens da ONU, que concedia o direito dos refugiados retornarem aos seus lares. Ariel Sharon, liderando a Unidade 101, fez constantes ataques à região, muitas vezes criticado pela ONU e até por quem apoiava Israel.

Durante as tensões entre Israel e Egito, em 26 de julho de 1956, o presidente do Egito, Gamal Abdel Nasser, anunciou a nacionalização da empresa que controlava o canal de Suez.

Em 29 de outubro do mesmo ano(1956), Israel invadiu a Faixa de Gaza e a Península de Sinai, em direção ao canal. A França e a Inglaterra, que haviam combinado o ataque inicial de Israel em uma reunião secreta anteriormente, se ofereceram para separar ambos os exércitos do conflito e reocupar a área. O Presidente Nasser, com forte apoio do povo egípcio após a nacionalização, recusou a idéia.

Essa decisão foi usada como pretexto para que a França e a Inglaterra atacassem o Egito em conjunto com Israel.

A França e a Inglaterra iniciaram bombardeios ao Egito em 31 de outubro, procurando forçar a reabertura do canal. O Presidente Nasser respondeu ao ataque afundando todos os 40 navios presentes no canal.

Os ataques terrestres começaram em 5 de novembro, através do domínio do aeroporto de El Gamil, usando pára-quedistas. Na manhã de 6 de novembro, aviões militares conseguiram pousar no aeroporto, mesmo durante forte resistência. A cidade egípcia de Bur Said, muito próxima ao canal, fora atacada e incendiada.

A operação de ataque ao canal pode ser considerada como um sucesso no âmbito militar, mas um amplo fracasso político. Os Estados Unidos foram muito criticados ao condenar a intervenção da União Soviética nos conflitos na Hungria, mas nada comentou sobre as operações dos seus dois principais aliados, França e Inglaterra.

Após isso, os Estados Unidos passaram a pressionar seus aliados para que parassem o conflito. Uma pressão financeira foi a estratégia usada pelo presidente dos Estados Unidos, Dwight Eisenhower, que culminou com o a do primeiro-ministro da Grã-bretanha, Anthony Eden, que foi forçado a renunciar. O evento marcou o fim da crise, e as forças de invasão se retiraram do Egito em março de 1957.

O conflito mostrou a fraqueza dos países aliados, e a França oncluiu que não poderia confiar em seus parceiros, principalmente os Estados Unidos. Israel, sem opções, foi forçado a retirar as suas tropas do Monte Sinai.

O Presidente Nasser ganhou um grande apoio do mundo árabe após o conflito, promovendo um sentimento de união do povo árabe em todo o Oriente Médio. O conflito também acelerou o processo de descolonização dos territórios sob o domínio da Inglaterra e da França, que se tornaram independentes nos anos seguintes.


ORIENTE MÉDIO VIVO, fundado em 20 de fevereiro de 2006.
Fontes de pesquisa:
Website ativista Palestine Monitor (www.palestinemonitor.org)
Website ativista Electronic Intifada (www.electronicintifada.net)
As informações e pontos de vista nesse newsletter publicadas não necessariamente retratam os pontos de vista daqueles envolvidos no seu processo de criação.
Para qualquer crítica, sugestão, ou comentários, por favor enviar e-mail para: orientemediovivo@gmail.com
 

“É mais triste perder um filho para o mal do que para a morte” – Mary Renault

 

De: Theodoro da Silva Junior <theojr@terra.com.br>
Data: 13/07/2007 (23:02:13)
Assunto: A eterna crise de Suez


VOLTAR