HOMENAGENS PÓSTUMAS

Sérgio Vieira de Mello


Nossa homenagem póstuma para o

Sr. SERGIO VIEIRA DE MELLO!!!!!

 

Sérgio Viera de Mello
 

 

A bomba que o matou.
 
A imolação de Vieira de Mello
 

Ao ser recebido publicamente, com toda a cordialidade, por Paul Bremer, o procônsul americano do Iraque, o brasileiro Sérgio Vieira de Mello assinou sua sentença de morte. Para a resistência iraquiana aquela imagem de quase confraternização entre os dois diplomatas indicou que a ONU estava presente em Bagdá para dar o aval à ocupação anglo-saxã do país.
 

A troca de gentilezas entre a face civil da ocupação militar americana e o enviado especial da ONU era, por assim dizer, o epílogo de uma série de Resoluções (a 687, a 1205 e a 1284) que, desde 1991, fizeram do Iraque uma nação párea no mundo globalizado. A triste ironia desse lamentável episódio que vitimou o diplomata é que Sérgio Viera de Mello fez uma das mais contundentes exposições junto ao Conselho de Segurança da ONU, logo depois que retornou de Bagdá, em maio de 2003.
 

 

Em favor de um governo legítimo

Sérgio Vieira de Mello (1948-2003)


Pelo relatório dele, respaldado pelas suas experiências anteriores na Bósnia e no Timor Leste, não havia a menor esperança de estabelecer-se qualquer sistema de ajuda à população iraquiana, caso não houvesse o pronto estabelecimento de um governo autônomo e legítimo em Bagdá. A fúria da população contra os invasores que, já se manifestava numa série de ataques aos soldados americanos e seus aliados, não só aumentava, como tornava-se cada vez mais violenta.
 

Naquele clima denso, onde o ódio é visível por quem anda nas ruas era impossível que os iraquianos aceitassem como legal o bando de colaboracionistas montado às pressas pelos Estados Unidos, formado por chefes tribais e um banqueiro foragido da lei – todos eles selecionados pela CIA - , cuja função real é apenas dizer "sim senhor" às medidas administrativas de Paul Bremer.


de Theodoro da Silva Junior <theojr@terra.com.br>
data 19/04/2008 14:41
assunto ONU(NAÇÕES UNIDAS) - IN MEMÓRIAN - HOMENAGEM A SÉRGIO VIEIRA DE MELLO
 


 

Sérgio Vieira de Mello, morto no dia 19 de agosto de 2003 na explosão de um caminhão-bomba contra a sede da ONU em Bagdá, foi enterrado hoje no Cimetiere des Rois (Cemitério dos Reis), no centro de Genebra, na Suíça. Outras 22 pessoas morreram no atentado, que deixou mais de cem feridos.

O diplomata começou sua carreira no Alto Comissariado para Refugiados das Nações Unidas, na sede da ONU, em Genebra, em 1969. Em setembro do ano passado, ele foi nomeado Alto Comissário de Direitos Humanos das Nações Unidas, também na sede da ONU.

A pedido do secretário-geral da ONU, Kofi Annan, Sérgio Vieira de Mello suspendeu seu trabalho em junho para aceitar seu mais difícil trabalho de quatro meses como representante especial da ONU em Bagdá. O período seria concluído em setembro.

O enterro de Sérgio Vieira de Mello ocorreria inicialmente em Thonon-les-Bains, um cidade francesa perto de Genebra onde ele vivia. Mas autoridades de Genebra convidaram a família a sepultá-lo no Cimetiere des Rois, reservado a personalidades que marcaram a história internacional ou do país.

Apesar do nome, o cemitério não tem nada a ver com reis, a Suíça nunca teve uma monarquia. O nome do cemitério se deve ao fato de o local ter sediado competições de arco e flecha medieval, cujo ganhador é declarado "rei".

O Cimetiere dês Róis abriga os túmulos do religioso francês do século 16,  João Calvino, do escritor argentino e ganhador do Prêmio Nobel  Jorge Luis Borges (1899-1986) e de diversos políticos suíços. SérgioVieira de Mello é a primeira alta autoridade da ONU a ser enterrada no local.

Colaboração de: 
De: Theodoro <theojunior@uol.com.br>
NThu, 28 Aug 2003 16:30:02 -0300


 

NOSSAS CONDOLÊNCIAS

VOLTAR