ONU celebra os 60 anos de sua Carta com plano de reforma 


Notícia de Jornal de hoje domingo 26/06/ 2005

Deveremos reverenciar no domingo de hoje, 26 de junho 2005, o 60º aniversário da ASSINATURA DA CARTA DE CRIAÇÃO DA ONU (United Nations). 

Roga-se não confundir como dia 24 de outubro, uma vez, verdadeiramente comemoramos o aniversário da ONU dia 24 de outubro porque foi em 24 de outubro de 1945 que a ONU foi instalada. No dia de hoje comemoramos aniversário da assinatura da CARTA que criava a ONU. 

51 países, inclusive o Brasil foram os primeiros signatários da Carta da ONU,

E como pode-se ler no texto, abaixo, somente na sede da ONU e em São Francisco EUA estarão sendo comemoradas essa data. 

E nós continuamos atentos embora sem poder comemorar apenas enfatizando o dia de hoje 25 de junho, é uma data importante para todos os Boinas Azuis.

De: Theodoro da Silva Junior <theojunior@uol.com.br> 
Data: 26/06/2005 (08:08:23) 


Noticiário Internacional

25/06/2005 - 14h51

Por Hervé Couturier NOVA YORK, EUA, 25 jun (AFP) - As Nações Unidas comemoram no próximo domingo o 60º aniversário da assinatura de sua Carta, numa atmosfera em que se misturam a satisfação pela obra cumprida e as dúvidas envolvendo o futuro da organização e sua inevitável reforma.

Na sede da ONU, em Nova York, haverá uma breve cerimônia na manhã de segunda-feira. Mas em San Francisco, onde o documento foi assinado, a comemoração acontece durante o ano inteiro e se concentra em eventos culturais e educativos. Neste fim de semana, cerca de 70 ex-chefes de Estado participarão de dois dias de celebrações (discursos, projeções, shows), a convite da Associação para as Nações Unidas e da cidade.

Segundo Edward Mortimer, diretor responsável pela assessoria do gabinete do secretário-geral, Kofi Annan, "a verdadeira celebração será a reunião de cúpula que acontecerá em setembro. Para o 60º aniversário, era mais importante se voltar para o futuro e incentivar os chefes de Estado e Governo a tomar as decisões impostas para que esta organização possa servir aos povos do mundo melhor do que no passado".

A Carta da ONU, redigida durante a Segunda Guerra Mundial, representou o surgimento de um sistema de segurança coletiva que, em anos bons e ruins, preservou a Humanidade de uma nova conflagração geral. A maioria dos diplomatas da ONU exalta as virtudes deste texto fundador.

"A Carta tem que que ser lida de uma só vez, é um texto inspirador", disse o embaixador da França na ONU, Jean-Marc de La Sablière. "É o produto de uma forte vontade política de estabelecer a paz e a segurança internacionais através da cooperação e de normas aceitas universalmente. Os direitos humanos e de desenvolvimento também têm seu lugar. Continua sendo, em suas disposições essenciais, incrivelmente moderna. Não poderíamos fazer algo melhor hoje", afirmou.

"A Carta é um dos documentos mais visionários do nosso tempo, já que expressa claramente os desejos de toda a Humanidade", comentou o embaixador britânico, Emyr Jones Parry. "Agora, temos que adaptar as Nações Unidas, para alcançar plenamente estes objetivos e enfrentar melhor os grandes problemas do século XXI. Por isso, é importante neste aniversário relançar a ONU com base no desenvolvimento, segurança, e nos direitos humanos", continuou.

Mortimer destacou a vontade dos fundadores de "preservar as futuras gerações do flagelo da guerra (...) O espírito da Carta, expresso tão magnificamente neste preâmbulo, é mais atual do que nunca".

Assinada em 26 de junho de 1945, por cerca de 50 países, entre eles os Estados Unidos de Franklin Roosevelt e depois de Harry Truman, a Carta define os objetivos e princípios essenciais das Nações Unidas. Trata-se de:

 "manter a paz e a segurança internacionais, e de desenvolver entre as nações relações amigáveis, baseadas no respeito ao princípio de igualdade de direitos dos povos".

Em 19 capítulos e 111 artigos, a Carta criou como órgãos principais a Assembléia Geral, o Conselho de Segurança, o Conselho Econômico e Social, o Conselho Tutelar, a Corte Internacional de Justiça e o Secretariado. Mas a organização tem dificuldade para se adaptar às mudanças e aos novos desafios surgidos com o século XXI.

Atualmente, a ONU enfrenta escândalos que revelam os pontos fracos estruturais de sua administração. Por isso, um amplo projeto de renovação é estudado por seus 191 membros.

Theodoro da Silva Junior <theojunior@uol.com.br> 
Data: 25/06/2005 (17:07:00)


VOLTAR