AO SOLDADO DE SUEZ


 

Tu, que um dia em teu passado

Cheio de ardor e idealismo

Vibrando de patriotismo

Saíste de teu torrão,

Foste parar em outras terras

Fostes cessar uma guerra

Desumana e sem razão

 

Tu, que em plena mocidade,

Cruzaste terra e mares,

Deixaste amores e lares

Para calar os canhões...

Deixaste a pátria querida

Indo arriscar tua vida,

Se interpondo entre as nações

 

Tu, que jovem patriota,

Desfraldaste as bandeiras:

A da O.N.U. e a Brasileira,

Em terras tão diferentes...

Levaste paz ao inferno

Ganhaste o respeito eterno,

Dos países e das gentes.

 

Tu, que partiste um dia

Quanta saudade choraste,

Quanto de bom tu deixaste:

A paz, o lar o amor!

Indo viver com bravura

Uma arriscada aventura,

Com renúncia e destemor

 

Tu, que não foste lembrado

Depois da missão cumprida

Depois da luta vencida

Na distância e sofrimento...

Jamais tiraste da memória

Que num momento da história

Tiveste teu momento!

 

Tu, que foste esquecido,

o anônimo soldado,

O herói não coroado,

Que fez a guerra cessar...

Não deixes calar no peito

O conquistado respeito

Que longe foste ganhar

 

Acorda os que dormem em paz,

Na paz pela qual lutaste,

Na paz que tu conquistaste

Com teus irmãos no passado,

E lembras a nação que amas

Que nada, nada reclamas

A não ser um: Obrigado.

 

E se ninguém te escutar,

Procura por teus irmãos,

Abraça-os, dem-se as mãos

Dividindo glória e dor...

Na legião dos esquecidos,

Muitos aguardam ferido

Por tua ajuda e amor!

 

 

Tu, que moço destemido

Plantaste a paz no deserto,

Ombro a ombro muito perto,

De outros jovens irmãos,

A tua pátria honraste

E ao Brasil coroaste

Com o respeito das nações!

 

Tu, que orgulhoso partiste

E um herói te julgavas

Pois tua vida arriscavas,

Em tua nobre missão,

Cumpriste bem teu dever

E ao mundo fizeste ver

O Valor desta nação!

 

Tu, que ao regressar previas

Uma acolhida de flores,

Medalhas, honras, louvores

E como herói ser tratado,

Tiveste os pais, os parentes

E no mais, bem pouca gente

a receber-te soldado.

 

Nem deixes, tu, pelo menos,

Que aqueles que já partiram

E nem tiveram ou sentiram

O conforto de tua prece,

Sejam em pleno sentido,

O herói desconhecido.

Pois, a glória não perece!

 

 

Tu, que vives hoje em paz,

Se foi fugaz tua glória,

lembra que um dia na história

chegará a tua vez

Erga a fronte com vaidade,

E marcha para a Eternidade,

Como um bravo soldado de Suez.  

“lN MEMORIAN”      Autor José Carlos Giacomini – 9º Contingente.

(Colaboração dos Boinas Azuis de Ponta Grossa – Pr.)


VOLTAR